Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Distribuidoras reajustam preço do gás de cozinha a partir desta terça-feira

Consumidor  pagará pela alta dos custos, resultado da tributação sobre os derivados que afetou o preço do transporte.



Manaus - O preço do gás de cozinha, o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), vai subir até R$ 1,50 nesta terça-feira (10), segundo distribuidores e revendedores. O recente aumento de impostos e a elevação do custo do transporte são os motivos alegados para o reajuste de R$ 0,04 por quilo do combustível.
Os revendedores de gás receberam, na quarta-feira, um informativo de uma das empresas que distribui o GLP em Manaus, que mencionava o reajuste para a próxima terça. No comunicado, os últimos aumentos no preço dos combustíveis e nos impostos Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF), Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) são relacionados como motivo para o ‘pequeno reajuste’ nas cargas de gás de dois a 45 quilos (kg).
Devido à concorrência, a Distribuidora Box Ceará decidiu repassar somente o reajuste praticado pela fornecedora do gás. “Como estamos há seis meses aqui e tem muitas distribuidoras próximas, vamos passar somente os R$ 0,04 por quilo, que dá R$ 0,52 para as botijas de 13 kg e uns R$ 0,35 para a de 8 (kg)” , afirma a proprietária Marta Souza, que recebeu uma mensagem da distribuidora, informando sobre o aumento de R$ 0,04.
A Distribuidora  Pontes também foi informada sobre o aumento. O proprietário Jaime Pontes acredita que além dos impostos, o combustível também pesou. 
Os distribuidores relatam que estão ocorrendo reajustes próximos uns dos outros. De acordo com Marta Souza, o último foi em novembro. 
Foram quatro reajustes de 2014 até este ano, segundo o coordenador da Distribuidora Nosso Gás, Edson dos Santos. “Da metade de 2014 até o final, teve três reajuste de GLP. Em cada um é R$ 0,05. Inclusive seguramos o último, devido à perda de clientes. Agora é o quarto”, analisou Santos. A empresa, que também foi informada por mensagem do reajuste, vai repassar R$ 1,50. Despesas com funcionários, veículos, telefone, internet, alimentação e impostos fazem parte do custo operacional.
Uma das duas companhias que fazem a comercialização do gás para distribuidores, a Fogás, confirmou que haverá aumento, através do setor marketing. “Em virtude do elevado aumento dos combustíveis praticados pelos fornecedores para o Diesel em 15%, informamos que a Fogás ajustará seus preços”, diz a nota. 
Os preços do gás serão  em 1,1%, que representa um acréscimo ao preço atual de R$ 0,52 no preço do botijão de 13 quilos. O preço do botijão de 13 kg passará de R$ 45,50 para R$ 46 para compra no posto da empresa e de R$ 49 para R$ 49,50 na entrega domiciliar, informou a Fogás.
Nas distribuidoras, a reportagem encontrou preços de botijas de 5 kg variando de R$ 23 a R$ 26. As de 8 kg são vendidas de R$ 33 a R$ 35 e as de 13 kg de R$ 43 a R$ 48. 
Enquanto os preços aumentam, os consumidores lamentam. A aposentada Maria das Graças Souza encontra a botija de 13 kg a R$ 48 e acha caro. “Um dia desses aumentou, agora tem mais. É um preço muito caro e tudo está subindo, água, luz”, afirmou. 
Na Amazongás, o preço do gás não vai subir, segundo o gerente comercial da empresa, Heron Lanhellas. “Agora não tem nada previsto (reajuste). Sabemos que o frete encarece, tem o custo operacional”, ponderou. 
O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) informou, em nota, que os preços do gás são livres.


terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Gás de cozinha com reajuste de 10%

Distribuidores afirmam que receberam os botijões de gás de cozinha com valor já reajustado


O consumidor está pagando 10% mais caro pelo Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), conhecido como gás de cozinha para uso industrial e comercial comercializado no botijão.

Conforme o Sindicato dos Distribuidores e Revendedores de Gás (Sirgás), o botijão de 13 kg teve um aumento em agosto do ano passado. Segundo o Sirgás, o reajuste foi provocado por um comunicado das distribuidoras. Hoje, já custa R$ 55,00 em alguns pontos comerciais.

O Sindicato informa ainda que o reajuste foi mais alto que a inflação registrada nos últimos 12 meses, que ficou em 6,52%, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

De acordo com o proprietário de uma revendedora de gás, J.G.C., os revendedores já estão recebendo o produto com valor elevado. “Como não conseguiram absorver esse aumento, os vendedores repassaram para o cliente”, relatou.

Energia - Desde 1º de janeiro deste ano, a conta de energia dos consumidores ficou mais cara. Isso aconteceu porque entrou em vigor a bandeira tarifária de cor vermelha para os consumidores de todos os Estados. A definição da bandeira de cor vermelha, segundo a Aneel, significará um acréscimo de R$ 3,00 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos no mês que vem.

Aumentos

Reajustes. Segundo dados do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), o transporte apresentou elevação em suas taxas de variação. O grupo de educação, leitura e recreação, de 2,63% para 4, 15%; o transporte, de 1,76% para 2,39%; habitação, de 1,85% para 2,01%; e os cigarros, de 2,18% para 3,34%. Os cursos formais tiveram alta significativa, passando de 6,29% para 9,19%.